jusbrasil.com.br
16 de Maio de 2021

Você sabia que não é obrigado a pagar as taxas bancárias?

O Banco Central permite certas contas a serem isentas de quaisquer cobranças.

Sara Dias Martim, Advogado
Publicado por Sara Dias Martim
há 3 anos

Economizar dinheiro é sempre bom e todo mundo gosta, mas muitas pessoas não sabem formas de atingir esse objetivo.


Sendo assim, trago uma notícia que é razoavelmente conhecida, mas infelizmente não é propagada nas redes sociais como deveria: a isenção de taxas nas contas bancárias.

De acordo com a resolução 3.919/2010 do Banco Central todas as instituições financeiras são obrigadas a disponibilizar contas correntes e poupanças gratuitas, disponibilizando aos usuários os seguintes serviços:

- cartão com função débito e a segunda via deste em caso de extravio;

- realização de até quatro saques por mês;

- realização de até duas transferências bancárias por mês;

- fornecimento de até dois extratos por mês;

- compensação de cheques;

- fornecimento de até dez folhas de cheques por mês;

- prestação de qualquer dos serviços internet banking.

Ou seja, se você não possui uma movimentação bancária extremamente intensa, pode conversar com seu gerente ou até mesmo ligar na central do seu banco para realizar a mudança. Ela é gratuita e não possui carência.

Outro fator importante a ser destacado, é existem bancos que possuem formas diferentes de disponibilizar este serviço, como por exemplo não restringir a quantidade de transferências bancárias, quando esta for realizada por contas do mesmo banco.

De acordo com os dados do UOL Economia hoje um correntista gasta aproximadamente R$1.000,00 com taxas bancárias. Vale a pena conferir.

Gostou deste artigo? Me siga no instagram:sara.dias91

Até breve e um grande abraço!

Fontes:

http://www.bcb.gov.br/pre/normativos/res/2010/pdf/res_3919_v4_P.pdf







2 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Maravilhoso seu artigo. Parabéns! continuar lendo

Maravilhoso seu artigo. Parabéns Sara Dias! continuar lendo